farolipse do sol

Farolipse do sol, um fenómeno comum para quem se posiciona no local certo.

À ocultação do sol pelos astros dá-se o nome de eclipse. Como este fenómeno não está descrito nos cadernos de astronomia, decidi chamar-lhe farolipse. O farol que oculta o sol, mas como tenho ensaios destes com outras coisas, aos restantes vou classificá-los de coisalipses.

Registo com perto de dois anos efetuado em Leça da Palmeira, perto da Casa de Chá da Boa Nova.

mão no fogo

Sol esse que se derrete em chamas,

chama por ti pela luz.

Luz essa de uma chama distante,

distante a luz próxima que cega.

Dou-te esta mão que se queima,

queimada numa imagem.

Imaginária mão queimada,

da luz que não queima nada.

É a poesia da fotografia,

grafia do desenho com luz.

Luz que deixa a grafia,

da imaginação de quem a produz.

Excerto de coisas que saltitam do hemisfério direito para o hemisfério esquerdo do cérebro de; Rafael Peixoto

DSC_0816a

 

antes do mar

Antes do mar, o sol passa pelo rio, entre árvores e arbustos, esgueirado por entre nuvens, num peculiar laranja que das macieiras não brota, nem de laranjeiras frutifica, todos os dias do ano, mesmo que nuvens densas se entre ponham! O rio não sendo meu é Minho, recortando a geologia do norte em grandes lanhos fendidos de uma terra de nome Lanhelas. Esse Sol que não é solido, mas ido será esse Sol, essa bola de plasma incandescente que irradia tanta luz, contrasta com a água em suaves reflexos de tons laranja e negro.

 DSC_1205a

#o que eu gosto mesmo!?

Mesmo, mesmo!?

É fotografar as iluminações festivas em pleno dia e deixar parecer que se encontram ligadas, onde a sujeição ao gosto colorido alheio fica liberta para a criatividade onde só o astro rei é que determina a regra da temperatura de cor a partir da qual eu escolho como a quero ver. Nem mesmo o sol consegue condicionar o meu olhar se souber como o contrariar! E é aqui que começa a arte fotográfica, contrariando o que é de regra e convencional, porque de outra forma teria que repudiar toda a criatividade e dedicar-me a fazer unicamente coisas lindinhas para agradar a mentes preguiçosas!

#azul da cor do pôr do sol

O azul segue o pôr do sol, de tom alaranjado da cor do sol poente. Segue a luz dourada, refletida nas águas tremulas do Rio Minho onde barcos flutuam, barrando a distante Foz do Rio. É esta uma das visões que o Minho oferece a quem consegue contemplar as horas mágicas, onde a luz se exibe num bailado de cor.

TMA_7048

#o dia de hoje está

Está assim o dia de hoje.

DSC_6977

esgueira-se entre as nuvens

esgueira-se entre as nuvens
esgueira-se entre as nuvens

6h00 AM e o sol esgueira-se entre as nuvens que deixam soltar uns pingos de água numa ameaça de chuva tímida.

O sol poente é manifestamente mais fotografado por todos os que gostam de fotografia. Talvez por ser um fenómeno que ocorre a horas em que há disponibilidade para o fazer e tempo para o contemplar! Já o nascer do sol é de mais rara representação e mesmo que isso ocorra, facilmente se confunde com o por do sol. Outra razão terá a ver com a hora de menos predisposição para fotografar e porque existem responsabilidades que absorvem a concentração de quem fotografa.

Este registo mais parece o olho do predador a observar a presa.