#na senda dos gnomos

Quanto mais procuro e não encontro, mais força ganha uma tese que ando a desenvolver sobre os famigerados gnomos de quem vestígios ainda não encontrei sobre a existência deles e que provas não existem, para além do seu habitat em forma de urbanizações fungosas, com habitações de curta duração. Pode determinar-se que o tempo médio de vida de um gnomo é de um a quatro dias, estabelecendo como base de análise o ser humano que de humano pouco tem, salvo raríssimas excepções!

Então vejamos; O ser humano, mais ou menos humano, tem um tempo médio de vida na ordem dos 70 anos. As suas habitações podem durar entre 75 a 300 anos! Desta forma e por cálculos aritméticos pouco matemáticos, baseados na ciência estapafúrdia da conjectura  da anormalidade, podemos chegar ao assombroso resultado de 1 a 4 dias de vida. Assim sendo, e segundo o que consta, assemelham-se a seres humanos, embora muito mais humanos, e perseguem o mesmo ciclo de vida que um humano nesse curtíssimo espaço de tempo! Imagine-se a velocidade a que isso ocorre! Daí não se conseguir avistar de forma alguma porque a vista humana que não tem lá grande visão humana, não tem capacidade de observação! Apenas aqueles em que o cérebro consegue reagir a estímulos supersónicos é que conseguirão ver, mas todos esses humanos estão em clínicas e dizem os entendidos, pouco entendidos, mas muito demagógicos, que não passam de alucinações, sujeitando-os a terapias medicinais com o objectivo de atrofiar tal capacidade!

Excerto do hemisfério direito do cérebro, com a ajuda de 23,9% do hemisfério esquerdo de; Rafael Peixoto 

#gnomos pelo mundo

Depois da exploração da ilha dos gnomos, foi possível uma incursão na floresta dos gnomos. Gnomos é que nem vê-los! Vou ter que estagiar com Sean Penn para aprender a encontrar quem não se consegue encontrar. Quem consegue falar com el Chapo, consegue entrevistar um gnomo! Ambos sabem lidar com a natureza, ou não tivessem alguns cogumelos propriedades alucinógenas!

#amanita muscaria

Um festival de amanitas muscaria, cogumelo alucinógeno podendo a sua ingestão ser fatal para a vida. Este cogumelo destaca-se pela exuberância da cor e  beleza.

#a ilha dos gnomos

Dizem que não existem e eu concordo! Também dizem que Deus não existe e eu concordo! Mas muita gente acredita na existência dos dois e eu concordo! E se Deus quiser, os gnomos, irão viver até à eternidade! E eu não acredito que concordo! É tudo uma questão de acreditação da concordância! Será credível, esta concordância!? Eu concordo que acredito!

TMA_1527

#faltaram os gnomos

Eles não estavam lá! Faltaram ao festim, mas deixaram-me passear pelo mundo deles! Talvez me tivessem confundido com os vândalos que são capazes de destruir da forma mais gratuita a natureza que os protege! São tão raros aqueles que respeitam a natureza que eles tem medo de todos os que se assemelham a humanos!

Da mesma origem genética que os humanos, os gnomos foram ficando cada vez mais pequenos e são os pequenos protectores de pequeníssimas porções de natureza! Os homens não! Cresceram e ficaram grandes! Grandes em termos fisionómicos e enormes no que respeita à falta de respeito pelo próximo e pelo afastado! Enormes a destruir a natureza! Enormes na ganancia!

É por isso que os gnomos não se deixam ver! Os homens cresceram e o coração ficou pequenino, mas os gnomos não podem transportar o coração no interior do seus reduzidos corpos! Cada gnomo tem um coração do tamanho de um milhão de corações de humanos! Eles aprenderam a respeitar a natureza que os ajuda a sobreviver!

No dia em que os corações dos gnomos e dos humanos tiverem a mesma dimensão, não existirá vida ou apenas existirão parasitas, vermes, vírus e bactérias!

Existirão cidades fantasma, bancos cheios de notas inertes a serem devoradas por seres vermiformes, fungos carunchosos a crescer por todo o lado e depois de tudo destruído e mais 10 000 000 de anos, talvez surja outro hominídeo que saiba respeitar a natureza e já não haja necessidade de haver gnomos!

Excerto do hemisfério direito do cérebro de; Rafael Peixoto