Janela aberta

Advertisements
Advertisements

A janela aberta que outrora se fechava. Abria por vontade de quem habitava e hoje mantem-se fechado por vontade de ninguém!

Advertisements
Advertisements

Negro

Advertisements
Advertisements

Podia ser, negro de buraco negro, negro de falta de luz, negro de desconhecido, negro de qualquer coisa, mas é apenas um negro de um interior mal iluminado, porque o negro de buraco negro foi concebido para a astronomia, zona de sucção de matéria, negro de falta de luz podia ser, até porque é efetiva essa falta de luz, mas no seu interior ela existe em pouca quantidade, porque apesar de pouca o buraco deixa-a entrar! De desconhecido também é, mas para aqueles que não visitaram ou habitaram esse espaço interior e aparentemente inacessível!

Mas terminando a divagação, trata-se apenas de uma janela circular desenhada por quem concebeu este edifício e entendeu que seria uma solução compativel com o espaço de habitar!

Advertisements
Negro, de buraco negro, de uma janela circular

Negro

Janela do passado

Iato de tempo guardado, nesta janela do passado, voltada para a ruina, à espera de reforma, onde a estrutura definha, com a vegetação que a abraça, aumentano a desgraça, da casa que fez a graça, de quem por la passou, dos espaços desfrutando.
À espera de futuro, nesse dia de 2013, hoje é espaço habitado, depois de reformulado, para a nova realidade, de conceitos de habitação, preservando detalhes de uma antiguidade ligados ao conforto do conceito de habitar!

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Canais e cantarias

Advertisements
Advertisements

Entre canais e cantarias, coisas de antepassados, salta a vista dos caminhantes, por caminhos de antes cruzados, coisas que o homem engenhou!

Na abundância da chuva, a água tinha de passar! Era o vedado de pedra, que não podia reter, águas que a chuva acumulava, nesses canais de montanha, para a proteção se manter, naquelas muralhas erguidas, passagens eram abertas, com grades de ferro prendidas, nas pedras da cantaria.

Passava a água que descia e evitava o ladrão que subia! Evitava a heresia!

O tempo leva à ruína, essas construções do passado, deixando aquelas que resistem, para mostrar nostalgia.

As pedras desta abertura, deixam visível um arco, de nome sobre abatido, sobre pedras de ombreira, obra de mestre canteiro que o tempo não lembrou. Anónimos artistas pedreiros, que nas artes de esculpir, deixaram legados erigidos, sem nunca ser conhecidos!

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Sobre o rio

A vegetação que cresce nas margens sobre o rio, passa despercebida no meio de toda uma flora particular. Mas há detalhes que se destacam ao olhar dos mais atentos. Detalhe captado em Vila Nova de Cerveira sobre o Rio Minho.

Advertisements
Advertisements
Advertisements

Praça da Liberdade

Praça da Liberdade em Viana do Castelo, vista da Capela de São Lourenço, Cais Novo, Darque, espelhada no Rio Lima, onde o reflexo é interrompido pelos pilares da antiga ponte de madeira que permitia a travessia do rio. O Monumento ao 25 de abril, marca a sua imponência.

Praça da Liberdade, em Viana do Castelo
Praça da Liberdade, em Viana do Castelo

Romaria da Senhora D’Agonia – Estátua a Viana do Castelo

Advertisements
Advertisements
Advertisements
Advertisements
Advertisements

Romaria da Senhora D’Agonia – Procissão ao Mar – O fim

Advertisements
Advertisements
Advertisements
Advertisements
Advertisements

Romaria da Senhora D’Agonia – Procissão ao Mar – Gentes do mar – O embarque

Advertisements
Advertisements
Advertisements
Advertisements
Advertisements