Êxodo da festa

Não há festa que sempre dure, nem festa que nunca acabe. Todas elas revertem para o êxodo da festa!
Esse êxodo, o ritual do abandono, onde as emoções ou a falta delas se vão convertendo em passado, prevalecendo mais ou menos tempo, na memória daqueles que participam! Prevalecem de forma mais consistente ou até de forma residual, mas prevalecem naqueles que são agraciados pela memória, de curta ou longa duração!

Advertisements
Advertisements

E tudo acabou, nesse ritual que parece o fim! Mas é apenas um momento cíclico de uma fase do período do tempo a que se dá o nome de ano! É ao fim de pouco mais de trezentos e sessenta dias que volta a repetir-se um novo início para a reversão de um novo êxodo! É a festa, o momento efémero que enche de satisfação os crédulos, de indiferença o absentistas e de revolta os velhos do restelo! É nesta tricotomia que se alimenta a manutenção da continuidade da repetição do evento!

Entre criticas construtivas, daqueles que são conhecedores, criticas destrutivas daqueles que são ignorantes e criticas por osmose daqueles que nada conseguem verbalizar por racionalidade própria, tudo se conjuga numa nova senda em direção ao regresso.

Advertisements
Advertisements

Esta é uma reflexão neuronal, onde um grupo reduzido privilegiados neurónios se uniram para produzir um conjunto de palavras que contribuíram para as palavras que fazem jus à máxima de que uma imagem vale mais que mil palavras!

Advertisements
Advertisements
Advertisements

leave a reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Website Powered by WordPress.com.

Up ↑

%d bloggers like this: