#entre a neve e a ruralidade

Existe um património que se vai perdendo, fruto do progresso. Algo se tem feito para preservar esse património, obras de arquitectos sem canudo. Gentes que construía com o saber e que estudavam no laboratório do conhecimento ancestral e da experiência do quotidiano, sem filosofias de catedráticos, mas baseados na filosofia do saber fazer com base na experiência e na observação. Grandes conhecedores da simplicidade, sem ser arquitectos ou engenheiros, criaram obras de arquitectura e de engenharia que permitem aos catedráticos de hoje, criar obras com sabedoria quando se respeita o conhecimento e técnicas que foram testadas durante centenas ou milhares de anos.

Fruto das adversidades da evolução cultural, hoje esse conhecimento deixou de ser prático para passar a ser teórico, sendo em alguns casos bem adaptado às técnicas da construção, e noutros casos convertidos em “mixórdias” inovadoras que mais não passam de técnicas tipo “banha de cobra” para a construção que a economia do motor industrial tem que vender.

Entre a paisagem ainda agreste, um exemplar de abrigo de montanha e um exemplar de moinho de rodízio, no Parque Nacional Peneda Gerês.

One thought on “#entre a neve e a ruralidade

Add yours

leave a reply

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: